ESA – Mais uma missão cumprida

O astronauta da ESA André Kuipers, e o seu comandante russo, Oleg Kononenko, mais o astronauta da NASA, Donald Pettit, regressam à terra no final de mais uma missão no espaço.

Está previsto aterrarem no Cazaquistão no Domingo, 1 de julho, por volta das 08h15 GMT menos 1 hora nos Açores (10h15 CEST). Pode assistir à transmissão que começa às 07h45 CEST,  4h45 hora Açores, numa cortesia da NASA.

Para a  transmissão; Clique AQUI.

Free live streaming by Ustream


Ovo ou Galinha – Quem apareceu primeiro?

Já todos nos interrogámos e argumentámos sobre a teoria, de qual terá aparecido primeiro, o ovo ou a galinha. Agora a questão parece ter explicação cientifica, muito simples até, mas que vem trazer alguma luz à questão, ou quem sabe mais achas para a fogueira da polémica.

Segundo as universidades de Sheffield e Warwick, no Reino Unido, dá-se por provado que o ovo para se desenvolver precisa da proteína ovocledidina (OC-17), que funciona como catalisador ao crescimento cristalino essencial à formação da casca do ovo. Ora esta proteína segundo o estudo está presente nos ovários da galinha.

Assim os cientistas deduzem que a galinha teve de nascer primeiro, por forma a dar origem ao ovo, que necessita da tal proteína ovocledidina (OC-17), para a sua formação.

Na Alemanha através do supercomputador, Hector, na Universidade de Hamburgo; foi possível efectuar uma ampliação de todo o processo de crescimento da casca do ovo, revelando que a proteína ovocledidina (OC-17) é de facto a responsável por dar início a este processo.

.

Esta explicação resolve o seu dilema?

Deixe comentários, com a sua teoria, se concorda ou discorda deste estudo e porquê.


Nova imagem de um ícone

Em 1995, a imagem da Nebulosa da Águia, captada pelo Telescópio Espacial Hubble, tornou-se numa das mais icónicas imagens do século vinte, tendo sido ‘baptizada’ de: «Os Pilares da Criação». Agora, dois observatórios da ESA trouxeram novas explicações para esta enigmática região de formação de estrelas.

A Nebulosa da Águia está a 6500 anos-luz, na constelação da Serpente. Contém um jovem cluster de estrelas, o NGC6611, visível através dos modestos telescópios caseiros, que ilumina o pó e o gás à sua volta, resultando numa enorme cavidade, alicerçada em pilares, cada um com vários anos luz de comprimento.

A imagem do Hubble apontava para novas estrelas a nascer, nos pilares, no interior de umas estruturas conhecidas como Glóbulos Gasosos em Evaporação (ou EGGs). Na imagem de luz visível captada pelo Hubble, não era possível ver o interior e provar que de facto se estavam a formar novas estrelas.  

Paralelamente, uma nova imagem de raios-X de multi-energia do telescópio da ESA, XMM-Newton, mostra aquelas jovens estrelas a esculpir os pilares.  A nova imagem do Observatório Espacial Herschel, da ESA, mostra os pilares e o vasto campo de gás e pó à sua volta. Capturada no comprimento de onda dos infravermelhos, a imagem permite aos astrónomos ver dentro dos pilares e estruturas da região.

Imagens individuais que compõem a impressionante nova visão da Nebulosa da Águia

Nos comprimentos de onda do visível, a nebulosa brilha principalmente devido à reflexão da luz das estrelas e ao gás quente que preenche a cavidade gigante, cobrindo as superfícies dos pilares e de outras estruturas de pó.

No infravermelho próximo, o pó torna-se quase transparente e os pilares praticamente desaparecem.

 

Nota-se uma complexa trama de gás e poeira, dando pistas aos astrónomos acerca da forma como interagem com luz ultravioleta forte, vinda das estrelas quentes, tal como se pode ver através do XMM-Newton.

Em 2001, as imagens no infravermelho próximo do Very Large Telescope mostravam que apenas uma minoria dos EGGs poderiam conter estrelas bebés.

No entanto, a imagem do Herschel torna possível pesquisar estrelas jovens numa região muito mais vasta, contribuindo para uma compreensão mais vasta das forças criativas e destrutivas no interior da Nebulosa da Águia.

Foto: ‘Pilares da Criação’ no infravermelho próximo
.
.
.

As primeiras imagens de infravermelho médio, do Observatório Espacial de Infravermelhos da ESA, e do Spitzer, da NASA, e os novos dados do XMM-Newton levaram os astrónomos a suspeitar que uma das quentes e compactas estrelas na NGC6611 pode ter explodido, tornando-se numa supernova há seis mil anos, emitindo uma onda de choque que destruiu os pilares.

No entanto, devido à distância a que estamos da Nebulosa da Águia, só poderemos ver esta explosão dentro de várias centenas de anos.

Foto: Infravermelho distante do Herschel

 

 

 

Poderosos telescópios baseados em terra continuam a fornecer imagens impressionantes do nosso Universo, mas as imagens no infravermelho distante, infravermelho médio e no comprimento de onda dos raios-X são impossíveis de obter, devido ao efeito de absorção da atmosfera da Terra.

Os observatórios instalados no espaço, tais como o Herschel e o XMM-Newton da ESA, ajudam a levantar o véu, permitindo apreciar a beleza do Universo, ao longo do espectro eletromagnético.

Em regiões como a Nebulosa da Águia, a combinação de todas estas observações ajuda os astrónomos a compreender o complexo e ainda surpreendente ciclo de vida das estrelas.

Foto: Imagem dos ‘Pilares da Criação’, captada pelo ISSO, no infravermelho médio

.
Fonte: ESA